domingo, 27 de dezembro de 2015

Tentativa - Nicolas Santos

Espero que não confundas aquilo que é bem confuso e se quer nome tem, você corre junto da sentença, seu nome não entorta o vento, confundo. Sua importância, declaradamente nula, prepondera em arrogância, uma que mal sabes ter, porte-se frente a uma batalha, utilize seus pesares. Os contestadores sobrevivem frente aos que carregam o efeito moral do reducionismo, tentem, eu confesso lutar, apoie-se em mim nestes toques. Ela assume meus pensamentos, nesse quase abraço, quase fico, lucrariam com pena, lucrem o começo, compasso, comportado, sucesso é olhar-te. Eu digo, compareça. Haja egoismo, puro e desnaturado, querer é complexo, tanto evito e nada evito. Lua, luminosa e lamentável, lamente o laço e a lua, lua. Quantos e quantas, na vitrola, Sampa no walkman. Todo e qualquer comportamento que não atende a um esteriótipo previamente estabelecido, é patologizado, não se preocupem, somos o que somos. Tentar já é um gesto e tanto, acredito que logo terás esboços do que pretendes, quanto ao que sou e sinto, nada. Árvore megalomaníaca, sua. Suas lutas e lutos, afrodisíaca tentação, eu comando meus sentimentos em um barco, braços se entrelaçam e eu desfaço, desabar é soma, sumo. Prantos. Enquanto as gotas caem, o rosto no espelho não é o que pretendia ser, escolta os que escolhem, atravesso tua rua e nado, nada para nós. Meus planos caíram, desviaram, melhor seria se o acaso fornecesse o que fornece aos demais animais, bípedes por evolução, opção empírica. Este som é somatizado, sonhos que não sonham tem vida curta, eu que não sonho, sonho, sonhar, eu que não durmo, deito para dormir, este som. Ouça-me, apenas quando quiseres. Desapareço em meio a essas vontades semi-preciosas, nada é tão importante assim, programem o passar do tempo, eu abro mão de todas as armas. Eu não me importaria com a estampa molhada, eu não me importo, espero que captem isto e mensurem de forma abstrata, como tudo precisa ser. Não há decepção. Maximizo o desinteresse, contenta-me estar por ai, sendo o que és, por algo e alguém, não apareça, tanta resistência cabe numa só palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário