domingo, 30 de agosto de 2015

Conversas tão pouco sentimentais de sentimentais que tão pouco conversam - Nicolas Santos

Ao léu, para ti, sem sorrisos supérfluos ou braços em inanição, congelados. Desloco qualquer transposição. Consumo teu contentamento, não supero, não sentencio. Não sentiria, sinto, não viria, venho. Submeto-me a sua face, teus olhos, olhos que olham de forma veemente. Vislumbre, crescemos com contextos simbióticos, trato, destrato, estrelas ao norte, mantenho-me com palavras oriundas de um passado presente. Prime, eu nasci para isto, suas mãos consertam, suas mãos consertam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário