domingo, 26 de outubro de 2014

Heartbreaker - Nicolas Santos

Impelem o próximo pedido, tua cicatriz, cicatrizará, garanto-te que alguém escolhe, hoje ou mesmo, hoje, mesmice é saber e saber cada vez.. A escuridão observa-se de longe, outro continente, velho horizonte, não passamos do espelho, nem do chão, quem afia a espada, não luta. Sinceramente, as pessoas, as pessoas agem de forma hipócrita ao tempo todo, sabemos que todos erram, sabemos que só erramos, todos sabem. Que prossiga o massacre. Visita-me com esses devaneios intrigantes e poupa, poupe, pois o que há, nada merece, nem um pingo do teu sangue no meu calcanhar. Por favor, esquecer é comum, mesmo que eu não culmine com este hábito, na tua desculpa nada coube, nada.
Teu mar é grande, teu amar jamais. Teus dias e lábios, sorrindo como quem quer algo há tempos. Há tempo, mas teu mar é grande para amar.
Isso não é sonho, reles pesadelo, costumam aparecer sem rosto numa frequência desastrosa, é quando posso sentir. Tua excursão as estrelas é pouca, passageira, lembro que hoje e amanhã, seus poemas, problemas, solucionam o que pretendemos. Quantos gritos, quantos ? Ficou na retina, seu carinho era descabido, para a minha pessoa, hoje tudo é compreensível, eu exagerei, exagerei. Ao querer alguém, qualquer serviria. As vezes quero, as vezes até observo. Meu coração dói demais, minha vida é dor demais. Daria-te isto. Como vai ? Como deveria, deves aprender que eu tenho esta força incompreensível que de nada vence, vencido, venceram-nos, procrastine. Me abrace, pois eu não mereço, teu clima é demasiado hostil, sentenciei, isso é o que a rebeldia nos trás, atrás das rochas, atrás das camas. Só não direi que lhe cuido, pois mal sei fazer isso para comigo mesmo, mas tu entende o conceito, se precisar de algo, queira não precisar. Tente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário