domingo, 5 de outubro de 2014

Enquanto queres, querem outros e o ouro, tolice é empresariada sem poema - Nicolas Santos

O que prossegue a prosseguir encontra-se com algo, nesta frente voluntária, caminhos cruzam-se, caminhos lançados no lago da velha cidade. Tem um sábado no meu ambiente, ambiente-se. Apontam com dedos romanos, desencorajam toda importância da trivialidade, chegaste e logo nada mereceu, essa será a resposta. Perguntaria-te, mas não tens tempo, salva a todos nós com esse dentes brancos e vida a fora, perturbo ao silêncio, teu contato, compacta. Quantos nomes começam como o teu e terminam como o meu ? Não saberia responder, essa improbabilidade é irrigada, é semeada em profundidade. Minha alma perdeu-se após os treze. Sacrificou a própria estadia, usufruímos de alguns dias, não mergulhamos nesta cultura involuntária, não saberíamos voltar, querendo. Despeça-se e como quiser, sempre esperei pela quebra, quebraste-me como todos queriam, eu, pontífice do caos, deixei, eu, quebrei. É impunidade a toda prova, cúmplices e tramites, só sei falar de ti que nem sabe o quão eu gosto, goste de quem pretender, pretenda-me. Lavam a alma com todos os apetrechos possíveis, com ópio, com cartazes, luzes e tudo mais que cerca a iluminação da serra. É isso tudo, nestes dias, é isso tudo e apenas, trouxeram-me as espadas dos persas, dos sofridos e da Normandia, logo este lago nos larga. Percebo vários rostos em diversos rostos, pura exacerbação, desorganizamo-nos pela orientação, pura orientação. É um respiro no meio do caos. Se queres descanso, dou-te descanso, acaso for em demasia, solte-se e evapore, mesmo com toda a dor existente, não conhece-me como eu à ti. Ando tão sóbrio que queria embriagar-me, embriagar-me de passado ou futuro, enfim, tirar da boca esse gosto agridoce de presente. De repente é isto, isto é totalmente de repente, tão quanto pontes que caem, passeios que caem, no esquecimento, o esquecimento cai da ponte. Este sensacionalismo, sensato, não, não, sensacional, não, não. Provavelmente tenhamos o beneficio da dúvida, recuse, recuse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário