domingo, 7 de setembro de 2014

Um dos últimos - Nicolas Santos

Dessintonizamos e com todo o receio possível, há tempos não sei o que é dormir, há tempos existem soluções inerentes a vida humana. Trajam-se de algo vivo para manter-se em um estado solene, enquanto lemos a face dos que fitam-nos, despreparadamente infindáveis, loucos. Perguntaria, caso sentisse que devo, não devo e mortalmente refuto essa solução, solução essa que nada sólida é, somente. Deem-me o veneno, preciso descansar dessa assombrosa caminhada, percebam o quão o cansaço faz parte deste querer e quando viste-me como uma fortaleza, calculaste errado, sou mais um naufrágio que permanece na crista da onda deste ocidente. Lembro sem qualquer noção, recorro ao caloroso abraço que deste-me um dia desses, sei que neste momento a sinceridade nada quis impedir. A assertividade a respeito dos desfalques e casualidade, dentro daqueles olhos cabe tudo, principalmente o que necessito em alguém. Nada esfria quando a dor cessa, dizem que conheço este caminho e do mesmo observo feito alguém em alguma janela, os pássaros e passos. Talvez eu estivesse lá o tempo que tentei, hoje devolvo-te a canção que sem perdão invocaste a minha alma, tome-a, aproveite. Entre o insano ranger de dentes provocado por exuberantes e tempestuosas apresentações que motivam o que há de pior na raça humana e sorrir. Poucos conhecem-me, já que ausento-me com uma frequência embalada no querer, detestam e montam analogias que possam explicar, reviro. Não é o fim, mesmo quando tudo parece apontar para isto, o fim é desconhecido, imprescindível e imprevisível. Perpetuo sua esperança dada, sua camisa branca e os cabelos que escorrem dos ombros, por você e o que diz, digo e prossigo. Desfaçam o precipício que dá-se em uma questão anti-agônica, persuadimos os que tem noção do dever e poder, pertencemos ao vencer. Não, não tenho o encontrado, talvez eu seja tão trágico quanto gostaria, mas não há rumo. Pode ser, as vezes até deve ser, o rumo é encontrar-se com quer encontrar-te. Preencho-te, assim como fez comigo nas madrugadas e ainda faz, desculpe qualquer momento de hesitação, gosto tanto de você. Você deveria tentar escolher-me e fazer valer, eu seria mais feliz se isso ocorresse, saudade dos teus olhos de menina e voz. És a unica pessoa com a qual sempre que falo, fico ansioso, gostaria de amar-te em dias incontáveis, o destino não parece querer. Existem pessoas e estados, abraço-te para que teu cheiro de pele macia, fique em mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário