domingo, 27 de janeiro de 2013

As quartas e sábados - Nicolas Santos

Não tens. Não tens uma fotografia minha, uma em que por instantes sorri, confesso, seria de enorme dificuldade ter uma dessas, não sorrio desde outrora, desde que as coisas a minha volta não chocavam-se em minha perturbada mente. Milhões de versos já foram acalentados e passados a limpo, confesso, as coisas se movem de forma confusa. Vejo que não percebem com facilidade, nem que eu me expresse, moro em mim mesmo, já tens ou encontrará alguém que ritma seu tolo sorriso e as suas crises em altares de grama. Reza e pede pra uma divindade : proteja. No cético só vês a tristeza, prefiro até em algumas estações, mistificado como o que não sabe ser feliz, atrevo-me a chamar a atenção de pessoas que não sabem colorir o guarda sonhos. Mas sabes, eu tenho dor, essa que é tão imensa, que me afoga, digo a você, obrigado, mas nunca serei bom em viver, não tenho alguém

Um comentário:

  1. Voce tem a mim principe. E ainda te arrancarei um sorriso, um daqueles que vao para a moldura do criado mudo.

    ResponderExcluir