quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Céu e inferno num só lugar - Allan Silveira

Há uma semana atrás, me sentia a pior pessoa do mundo. Com um profundo sabor amargo de arrependimento que me custava a sair da boca. Me sentia culpado. E acho que nem Deus ou o Diabo seriam capazes de ser tão austeros num julgamento quanto eu mesmo havia sido naqueles dias. Talvez não me sentisse culpado, mas me culpei.
Hoje acordei com a estranha sensação de dever cumprido. Senti que as minhas mãos foram sujas por um ideal e que todo aquele amargo que senti desapareceu no meio dessa sensação. Não posso dizer que me sinto feliz por isso, mas me sinto de certa forma, leve e descompromissado.
Mas ao contrário de uma ciência exata, o estado de espírito é a ciência mais humana que deve existir. E sabendo que toda ciência humana tem seu lado abstrato, acho que ser humano é a arte mais abstrata que existe.
Quem vai saber qual o momento em que tive razão? Talvez apenas Deus, mas pra um cético ortodoxo dizer que Deus sabe é o mesmo que dizer que ninguém nunca vai saber. A minha crença (como soa esquisito para mim começar uma sentença com essas palavras!) é de que o inferno de mármore, labaredas e sofrimento veio do mesmo lugar que o céu de nuvens delicadas e plenitude. Ambos vieram de um lugar pequeno mas muito complexo que nenhum cientista, religioso ou genérico de Walter Mercado conseguiu decifrar: A mente humana.
Somos capazes de tudo (bem, quase tudo) quando simplesmente focalizamos nossos pensamentos naquilo. Ghandi e Adolf Hitler tinham em comum uma mente completamente excepcional que não podia ser comparada com as daqueles que viveram com eles. Ambos eram obcecados por seus ideais. Acredito que Hitler nunca se culpou por nada do que fez. Todas aquelas mortes de judeus inocentes (peraí, judeus inocentes pra mim ou pra você. Pra Hitler eram apenas impuros) na minha opinião nunca sequer torturaram a mente de Hitler.Ghandi por sua vez, que nunca foi dono de sua própria existência por estar sempre em serviço da paz, se condenava por ter se rendido algumas vezes aos prazeres da carne, a ponto de que manter-se longe deles se tornou uma meta em sua vida.
Ghandi pode ter acordado em algumas manhãs se sentindo culpado por apenas uma noite de sexo. Hitler banhou os campos de concentração de sangue e sentiu que seu dever estava sendo cumprido mas nós nunca saberemos onde essas almas estão agora. Se diz-se que existe muita coisa entre o céu e o inferno, o que será que pode existir num lugar onde o céu e o inferno são realidades coexistentes. E que cabem dentro de um chapéu, muito embora o fardo pesado não se sustente nos ombros, e nem plenitude caiba no ego.

8 comentários:

  1. MUITO, foda!
    parabéns, de verdade :)
    ganhou uma fã!

    ResponderExcluir
  2. Legal mesmo o texto... Deveria postar mais e espalhar pra TODOS lerem.
    ganhou mais uma fã :)

    ResponderExcluir
  3. Ganhou mais uma fã. Eu amei esse texto, muito mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito!

    Voce tem mais textos? Gostaria de ler. me passa um contato seu.

    Até deixaria meu email aqui, mas estou traumatizada, fui rackeada há uns tempos.
    A proposito, ganhou mais uma fã tb. =**

    ResponderExcluir
  5. è de fato cada pessoa com sua meta...só que a do Hitler era meio maligna não? E também incapaz de ser realizada

    ResponderExcluir
  6. Eu concordo muito com voce e como cada um tem sua meta na vida. Gostei muito do jeito como escreve. Assim como o "Anonimo", sera que voce poderia postar ou mandar mais textos seus? Obrigada =*

    ResponderExcluir
  7. PREZADO AMIGO, MANDEI UM EMAIL MEU GOSTARIA DE SABER SE VC RECEBEU ADOREI SEU BLOG E TENHO ALGUMAS COISAS IMPORTANTES A LHE PASSAR. ABRAÇOS IRINEU R.R.

    ResponderExcluir