domingo, 20 de julho de 2014

Lamúrias de um soldado que não vai a guerra - Nicolas Santos

Lá quanto cá, desbota a mesma fotografia, lá quanto cá erguem imagens de supostos homens com alguma sapiência, lá eles sabem festejar com vinho tinto espumando na boca, telhados de cerâmica, cera que tece teias, telhas. Cá impressiona o mesmo vago preciosismo, a mesma semana todos os anos, anos todos, estes seus quanto meus, nossos. Aqui quanto ai, dói a ferida que salga em carne viva, aqui canto ai, quanto, como, quão, sem voz ou paciência, sem decência, sem palavra, sem livros. Aqui eles estão limpando os pés magoados, aqui a pedra não dilacera a vidraça, ai já não importa mais, jaz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário