segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Para os que ainda podem sentir - Nicolas Santos e Lys Sales

É um mundo novo e eu não aprendi os caminhos ainda. São ruas estranhas, passos perdidos, rostos parecidos, mas nada consegue fazer sentido. Minha respiração funciona de outra forma, não é mais o ar, é uma alma. E lá fora o novo não me quer porque permaneço velho.

Porque o velho não quer ser novo e eu não quero ser eu, meio difícil de entender, mais ainda de sentir, muito raro viver de passado, muito perigoso viver do futuro, muito monótono viver do presente, tudo tão igual, sempre.

E as palavras ao meu redor são todas combinadas, mas ninguém deixa eu pensar nas minhas, eu tento me descobrir, eu tento me achar, mas minha voz será julgada e toda vez que eu levantar a cabeça o passado jogará pedras até o presente derrubar.

Pedras que um dia acertaram algo que não deveriam e causaram coisas imprevisiveis, inaceitaveis, sentimentos confusos e problemas monstrusosos, que me arrastam e tiram meu sono, que devoram minha alma e brincam com meu coração.

Mas é sempre assim, as pessoas jogam pedras em coisas que brilham, querem as estrelas só para elas, não se conformam com o sol em um sorriso, não querem deixar os fogos queimarem nos corações, mas e no futuro, como será? Eu apago antes de pensar, mas mesmo sem permissão eu me atrevo a querer que a mente delas exploda antes que eu caia.

Guardar me parece o melhor a se fazer, guardar amores, saudades, rancores, ódios e tristezas, guardar e estocar pro futuro, pois um dia eu sei que desejarei não mais sentir tudo isso, não mais viver tudo isso, já desejo, sempre desejei, sempre desejarei.

A vida faz o amor parecer difícil, mas ele não é só isso, ele esconde o que for ruim pra ser o dono de toda a dor e de toda a alegria. O presente não passa, eu não quero lembrar esse passado, mas deixa tudo guardado, guardo até minha voz e fico balançando os pés na água fria enquanto vejo a vida passar sem dor, sem graça, só por fora, porque o veredicto vai vir de fora dos que não tem o que fazer.

The jury is out, but my choice is you.


Um comentário:

  1. Fiquei impressionada com as suas palavras!
    Não tenho nenhuma verdade para lhe dizer, porque me parece que você não precisa delas. Elas realmente não são necessárias. Atrevo-me a dizer que nunca são.
    Cuide-se.

    ResponderExcluir