segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Frias primaveras por vir - Nicolas Santos

Sentindo medo de ter medo
Então olhei para as luzes que se estendiam pela cidade a noite, eu dentro de um automóvel, vendo a vida passar, era o ultimo dia quente de inverno.
Podia ser o ultimo de uma série de coisas, mas as coisas ruins parecem ser perpétuas, parecem perdurar em nossas almas, elas machucam, se auto-remoem, elas nos cortam por dentro, enquanto isso fingimos que está tudo bem, estou sorrindo, mas quero chorar
Queria que as coisas boas ficassem, mas elas não ficam na memória, só há espaço pra saudade, saudade de momentos bons, que viram coisas ruins, não viverei mais momentos com você e tu não tem noção do que é isso. Na verdade ninguém tem, nem eu mesmo entendo, não entendo essa alegria do nada, essa tristeza do nada, a vontade de desistir do tudo, de querer de volta o meu tudo, de querer você.
Costumo dizer que só sei quando sinto frio e fome, já o resto das coisas que sinto, são confusas, levianas não, apenas confusas, são impulsos de raiva a serem controlados, são dores que tenho que não sentir, pois se eu desmoronar, ninguém vai querer limpar a sujeira que causarei, tenho preguiça de limpar, prefiro não cair mesmo.
E se fosse um dia frio de inverno ? Tudo seria melhor, tudo seria da maneira que eu quero, mas se tudo fosse assim, não seria a vida, seria sonho, teria por perto quem eu quero e jogaria no lixo quem detesto. Não costumo detestar as pessoas, tenho pouco tempo para desperdiçar com coisas inúteis.
Dança comigo, diz que não terei de fazer tudo sozinho, pois acordei e hoje é um dia frio de primavera.

7 comentários:

  1. - adoooorei :D
    (...)Dança comigo, diz que não terei de fazer tudo sozinho, pois acordei e hoje é um dia frio de primavera.

    parabééns ficou liindo *------------*

    ResponderExcluir
  2. Texto lindo como sempre né Nick, nem tenho o que dizer.
    Parabéns está maravilhoso *-*

    ResponderExcluir
  3. lindo lindo lindo *---*

    ResponderExcluir
  4. 'não entendo essa alegria do nada, essa tristeza do nada, a vontade de desistir do tudo, de querer de volta o meu tudo'
    aaaaah ,Nick ,tu tem que em ensinar a escrever tão bem assim !

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir