sexta-feira, 1 de abril de 2011

the barriers - Beatriz Fagundes


Não quero mais ouvir palavras de um futuro melhor, nem pensar que amanhã o sol vai nascer diferente. Isso depende de mim, as coisas também não são sempre como eu planejo.
A minha vida não pode mais girar em torno de palavras alheias, que talvez nem sinceras sejam. Eu sei que tem gente por ai que te deseja o bem só pra não passar uma imagem ruim, mas que no fundo mesmo espera que você se exploda.
Explodir. Perfeito pra quem não suporta mais tanto problema. Perfeito para os fracos.
Não querendo dizer que eu sou forte, já levei muito tombo e por tempo pensei não conseguir levantar, mas o que me derruba me fortalece, e o que me fortalece me faz continuar.
Se você quer viver, você precisa sobreviver, isso é fato. Não se pode dizer “não consigo” diante de uma barreira, é isso que ela precisa pra te derrubar de vez. Já fui mais forte que eu mesma pra passar por muita coisa, e não vai ser agora que vão conseguir me parar.
Meu único fim, feliz ou triste, é a morte.

Um comentário: